No dia 8, o Cineteatro de Porto de Mós acolheu a cerimónia comemorativa do Dia Internacional da Mulher. Organizada pela Assembleia Municipal (AM), teve como objetivo homenagear as mulheres cuidadoras. Subiram a palco 20 mulheres, duas por cada freguesia, nomeadas pelos respetivos presidentes e pelas enfermeiras da Unidade de Cuidados na Comunidade.

Clarisse Louro abriu a sessão afirmando que a AM «não podia deixar passar este dia em vão» e de «dar voz às mulheres» cuidadoras, do concelho, «que não reclamam horas de trabalho, dias de férias, condições de trabalho, mulheres que dão de si por amor ao outro». A autarca referiu que os cerca de «800 mil cuidadores informais» que existem em Portugal são «maioritariamente familiares da pessoa de quem cuidam e mulheres». A finalizar o seu discurso, a presidente da AM pediu «do fundo do coração» que através das 20 mulheres escolhidas, «as restantes cuidadoras se sintam homenageadas».

A deputada Liliana Pereira (PS) afirmou que a função de cuidador «até há pouco tempo, não era valorizada». A socialista deixou um repto ao executivo camarário para que possa «criar o estatuto de cuidador informal municipal, com um conjunto de apoios financeiros e sociais». Liliana Pereira agradeceu «em nome de toda a sociedade civil, pelo trabalho silencioso, muitas vezes doloroso e bastante penoso» que fazem estas pessoas.

Olga Silvestre (PSD) lembrou que «estas mulheres abdicam muitas vezes de si, dos seus sonhos, da sua realização profissional e pessoal para se dedicarem aos outros», acrescentando que «ser cuidadora faz parte do ADN das mulheres, esta é a sua natureza». Por se tratar do Dia da Mulher, a também deputada da nação não deixou de frisar o «muito caminho que ainda há a percorrer na viagem da igualdade de género».

Do AJSIM, não houve qualquer elemento a tomar da palavra. O Portomosense contactou o líder de bancada, Mário Cruz, que explicou que «o convite inicial para intervenção tinha sido dirigido apenas à senhora presidente da AM e ao senhor presidente da Câmara» e que só depois de os partidos se manifestarem, «à última da hora, no sábado», receberam um e-mail a dizer que «a senhora presidente não se opunha à intervenção, desde que não excedesse os três minutos». Uma vez que «o sentido do convite» não era esse, o AJSIM decidiu não intervir, justificou Mário Cruz.

Mulheres homenageadas:

Alqueidão da Serra
Isabel Maria Batista Freench
Clarisse Correia Vieira

Alvados e Alcaria
Maria Fernanda Martins Correia Carvalho
Cristina Manuel Pinto Carreira

Arrimal e Mendiga
Maria de Fátima Pereira Martins
Ilda Gomes Santos Felipe

Calvaria de Cima
Maria Adélia Jorge Santos
Maria Madalena da Silva Ginja

Juncal
Maria da Piedade Ferreira Moreira Raimundo
Maria Eugénia Moreira Raimundo Cruz

Mira de Aire
Dina Manuela Carreira da Noiva Pereira
Maria Fetal Vieira

Pedreiras
Maria Madalena Dias Almeida Lourenço
Adelina Neves da Silva Coelho Matos

Porto de Mós
Emília Vieira
Maria de Jesus Santos Moreira Silva

São Bento
Iria da Conceição Rei
Zuferina Paulo Cordeiro

Serro Ventoso
Alzira Cordeiro Rosa Venâncio
Ilda Maria da Silva Vasco Custódio