Desde o ano letivo 2018-19, altura em que o regulamento entrou em vigor, o Município de Porto de Mós já atribuiu 233 bolsas de estudo a alunos do concelho que ingressaram no ensino superior, o que representa um investimento de «cerca de 100 mil euros». Este balanço foi avançado pelo presidente da Câmara, Jorge Vala, em reunião do executivo, onde detalhou o número de jovens de famílias em posição de vulnerabilidade socioeconómica que receberam este incentivo. No primeiro ano foram apoiados 45 alunos e desde então que este número foi sempre crescendo. Em 2019-20 obtiveram este apoio 48 alunos e no ano letivo 2020-21 registou-se uma subida acentuada, com a atribuição de 70 bolsas de estudo, um número que se manteve inalterado no ano letivo seguinte (2021-22) e que ainda decorre.

O valor atribuído mensalmente tem por base quatro escalões que vão desde os 20 aos 125 euros e é precisamente no primeiro escalão (de 125 euros), entregue a alunos com um rendimento igual ou inferior a 100 euros per capita, que se sente um «aumento significativo»: «De uma bolsa atribuída passámos para 10», revela. «Valorizar o apoio à formação académica dos jovens» continua a ser um dos objetivos do autarca que admitiu a possibilidade de estes valores poderem vir a ser reforçados com a alteração do regulamento.