As termas da região Centro, das quais fazem parte as Termas da Piedade, em Alcobaça, e as de Caldas da Rainha, estão a desenvolver um circuito de geocaching para estimular a circulação de pessoas pela zona das termas, assim que seja possível. Foram distribuídos cerca de 50 geocaches por 20 termas da região, que vai desde «os distritos de Santarém e Leiria, até à Guarda», disse Adriano Barreto Ramos, coordenador das Termas Centro numa conversa com O Portomosense. O responsável explicou ainda que existe «a possibilidade de fazer pequenas rotas, dentro da grande rota que é o geocaching das Termas», e assim, indo completando o circuito, distrito a distrito.

Foi numa parceria com o departamento de Geografia da Universidade de Coimbra, «que tem já vários trabalhos para outras redes» que nasceu este projeto, sendo da responsabilidade da universidade a escolha dos locais e das caches. Adriano Ramos adiantou ainda que o projeto tem como público alvo não só as pessoas que querem descobrir o «território e o seu património», mas também aquelas que são «preocupadas com o ambiente e cultura», sendo esta atividade feita em grupo, «em família ou amigos», disse.

O geocaching é uma atividade com grande crescimento nos últimos anos, em que uma pessoa ou um grupo faz uma espécie de caça ao tesouro, com recurso a coordenadas GPS que estão disponíveis em páginas na internet, e em que o “tesouro” são pequenas caixas escondidas em zonas com alguma importância, desde mosteiros, «sítios com paisagens fantásticas, miradouros» entre outros. Cada uma das 20 estâncias termais tem pelo menos duas caches, e algumas têm três «dependendo da relevância do património» nas imediações.

De acordo com Adriano Ramos, trata-se de um desafio «para portugueses e estrangeiros pois as «geocaches têm o texto em português e inglês, assim que se possa viajar livremente a procurar as caches e desfrutar do património da região centro de Portugal.

Isidro Bento | revisão