Início » Novo grupo de escoteiros em Mira de Aire já tem 45 elementos

Novo grupo de escoteiros em Mira de Aire já tem 45 elementos

21 Dezembro 2020
Catarina Correia Martins

Texto

Partilhar

Catarina Correia Martins

21 Dez, 2020

Está a nascer em Mira de Aire um Grupo de Escoteiros, pertencente à Associação de Escoteiros de Portugal (AEP). As atividades já arrancaram e o grupo tem sede, no antigo quartel da GNR, na vila, conseguida por contrato comodato com a Câmara Municipal, como noticiou O Portomosense na sua última edição.

As atividades propriamente ditas começaram no dia 3 de outubro e, de acordo com Artur Gomes, o chefe de grupo, «é expectável que o Grupo esteja em formação até meados de abril», quando será feita a oficialização. Nesse dia, os elementos deverão também fazer o seu compromisso de honra, passando assim a usar o lenço. Ao contrário do que acontece nos escuteiros do Corpo Nacional de Escutas, nos grupos pertencentes à AEP, o lenço é igual para todos os elementos, independentemente da idade, e específico de cada Grupo. No caso de Mira de Aire, o lenço será preto, com «uma fita branca e uma fita azul bebé», terá também uma flor-de-lis e “Mira de Aire” escrito em código Morse, estes últimos elementos serão «bordados a amarelo vivo, porque são as cores da freguesia».

O Grupo tem, neste momento, 45 elementos, distribuídos por quatro divisões: 14 lobitos (dos 6 aos 10 anos), 15 escoteiros (dos 10 aos 14 anos), seis exploradores (dos 14 aos 18 anos) e dois caminheiros (dos 18 aos 22 anos), a que se juntam oito dirigentes. As crianças e jovens são, na sua maioria, provenientes de Mira de Aire, mas há também elementos de Alvados e de Fátima.

Remodelação do edifício já começou

Até aqui, a sede do Grupo «era na Natureza» e Artur Gomes garante que a intenção é que muito do tempo em atividade continue a ser na Natureza. No entanto têm agora uma sede física. O contrato comodato, celebrado com o Município, prevê que seja o Grupo a fazer a remodelação do edifício.

Artur Gomes revela que já foram «trocados alguns vidros, fechaduras e portas» e que o próximo passo «é preparar o espaço da Alcateia», destinado aos lobitos. Os espaços destinados às restantes divisões serão feitos «à maneira escotista»: na sala dos escoteiros serão montados tipis, tendas típicas das tribos índias, e na sala dos exploradores os elementos deverão fazer «alguma coisa tipo um forte», uma vez que decidiram ser a tribo dos Vikings e pretendem que a sua sala esteja de acordo com isso mesmo. O chefe de grupo adianta que, na parte exterior do edifício, é intenção «fazer um mural em memória de Baden-Powell», o fundador do movimento. «Temos que pedir autorização à Câmara, mas já temos alguns desenhos e vontade não nos falta», avança.

O chefe, natural de Mira de Aire, garante que, daqui para a frente, pretendem envolver-se em várias atividades com a comunidade, nomeadamente ligadas ao apoio social e à questão ambiental. Estando a vertente social mais limitada neste momento por culpa da COVID-19, o grupo põe apenas a hipótese de «cantar umas músicas à porta do lar, mas sem contacto e sem entrar [na instituição]». Quanto à parte ambiental, pretendem «trabalhar a proteção da Natureza» e envolver-se em ações já conhecidas da população, como por exemplo o Vale Limpar.

Assinaturas

Torne-se assinante do jornal da sua terra por apenas: Portugal 19€, Europa 34€, Resto do Mundo 39€

Primeira Página

Publicidade

Este espaço pode ser seu.
Publicidade 300px*600px
Half-Page

Em Destaque