Dois anos depois, o Salão Paroquial das Pedreiras voltou a acolher a Prova Cega de Vinhos organizada pelo Grupo Desportivo das Pedreiras (GDP) com o auxílio da Junta de Freguesia. Esta nona edição, que decorreu a 23 e 24 de abril, teve em “competição” um total de 17 vinhos, 12 tintos e cinco brancos, que foram provados por «mais de 200 pessoas», revelou a O Portomosense o presidente do GDP, Luís Vazão. O vinho tinto que mais agradou o paladar dos provadores foi produzido pelos irmãos Gonçalo e Leonel Vazão. Em segundo lugar ficou João Miguel e a fechar o pódio Fernando Jerónimo. Quanto ao vinho branco, a vitória foi para Fausto Pires. No segundo lugar, novamente os irmãos Gonçalo e Leonel Vazão e a medalha de bronze foi atribuída a João Miguel, também repetente no pódio. No final, os primeiros dois lugares tiveram direito «a um troféu maior», mas todos os participantes levaram para casa um troféu e um diploma, «prémios simbólicos», salienta Luís Vazão. Todos os produtores presentes são naturais da freguesia e apenas um não vive atualmente nas Pedreiras.

A muita adesão que o evento teve, principalmente no sábado, habitualmente «mais fraco», foi «uma surpresa» para a direção que, acima de tudo, queria que «o público e as associações presentes» se divertissem: «Estávamos sem eventos há muito tempo e as pessoas estavam carentes disso». Além da prova de vinhos, o evento tem também a componente de tasquinhas que juntou sete associações, todas da freguesia. Qualquer pessoa pode marcar presença no evento, mas para provar os vinhos é necessário pagar uma inscrição (no valor de três euros) que dá direito «a um copo de vinho, um saco, à prova de todos os vinhos e a repetir cinco vezes os melhores», explicou o presidente. A cada pessoa «é atribuído um cartão para votação que depois é colocado numa urna». «Cada caixa com um vinho diferente tem dois envelopes fechados com o nome do produtor, um está por cima da caixa e outro por baixo, quando acaba a votação tiramos primeiro o envelope de cima para ver a quem pertence o vinho e depois tiramos o envelope de baixo para ver se o nome coincidia, por uma questão de segurança», esclarece ainda Luís Vazão. O presidente diz que agora será feito «um balanço para perceber como correu o evento», mas, ainda assim, a sua expectativa é «ter uma 10.ª edição no próximo ano».

Na abertura do evento, o presidente da Câmara de Porto de Mós, Jorge Vala, considerou que esta é «uma iniciativa fantástica, em que se agrega a população e o movimento associativo». «A freguesia das Pedreiras está de parabéns porque continua a manter esta iniciativa num ano especial para nós, um ano em que voltamos a encontrar-nos», frisa o autarca. O presidente sublinhou ainda que este regresso é importante para o movimento associativo que «muito sofreu nos últimos dois anos».

Foto | Jéssica Silva