O Mosteiro da Batalha vai receber obras de «conservação e requalificação», no âmbito do Programa Operacional do Centro, através da reprogramação de uma candidatura da Direção Geral do Património Cultural, que incluía já obras no Mosteiro de Alcobaça e no Convento de Cristo, em Tomar, e que agora incluiu também este monumento. De acordo com o diretor do Mosteiro, Joaquim Ruivo, estas obras são «assumidas como prioridade» para a manutenção de todo o edifício.

A primeira e principal empreitada, que deve iniciar-se ainda este ano, é a de conservação e restauro dos claustros de D. João I e D. Afonso V, que «precisam de uma operação de limpeza e conservação», refere a O Portomosense. A segunda empreitada, que o diretor espera que arranque também ainda em 2020, «vai reformular o circuito de visita», ou seja, a entrada deixará de se fazer pela igreja, como até aqui, e passará a «fazer-se através de uma porta lateral diretamente para o claustro real», explica o diretor. Além disso, o circuito de visitação vai incluir uma nova loja, «uma vez que a atual está no contexto do meio da visita». Este novo espaço permitirá o acesso «por pessoas que não queiram ou que já tenham visitado o monumento, pelo exterior». De acordo com Joaquim Ruivo, o espaço da atual loja será usado para «galeria e exposições temporárias».

As obras, sem data de início ainda confirmada, terão que estar concluídas a 30 de junho do próximo ano.