A AD Portomosense garantiu a presença na final da Taça do Distrito ao vencer, em casa, o GD Santo Amaro, por 2-1, num jogo em que a turma de Pedro Solá foi quase sempre melhor perante um adversário que nunca baixou os braços, mas não teve argumentos para contrariar a maior qualidade da formação de Porto de Mós.

Desta forma, a AD Portomosense regressa à final da Taça no Estádio Municipal de Leiria, algo que não acontecia há 11 anos. A última vez foi na época 2010/11, altura em que a formação, então orientada por Rui Bandeira, bateu o GD Guiense nos penáltis, depois de um empate (1-1) no tempo regulamentar.

Nessa equipa pontificavam jogadores que ao longo dos anos foram fazendo história no futebol em Leiria como são os casos de André Sousa, Hugo Almeida, Cédric Jorge, Pedro Órfão, João Grazina, Afonso Feteiro, Pedro Vindima, entre muitos outros.

Onze anos depois os heróis poderão ser outros na conquista de um troféu que representa a concretização de um objetivo estabelecido no início da época. «É sempre um orgulho estar na final da Taça do Distrito. Era um objetivo que tínhamos desde o início da temporada e felizmente conseguimos concretizar», destacou o responsável pelo futebol sénior do clube, Miguel Alexandre.

Em jeito de antevisão para uma final contra o SC Pombal que ainda não tem data marcada, o diretor acredita que será um jogo «bem disputado», entre «duas boas equipas» e que serão «os detalhes» e a «determinação» que ditarão o desfecho final «dentro do campo». Para o sucesso da equipa de Porto de Mós nesta caminhada na Taça do Distrito muito contribuiu o apoio dos adeptos que “carregaram” a equipa até à final, numa comunhão como há muito não se via. «Há claramente uma grande comunhão entre os adeptos e a equipa. É normal que assim seja. Quando as coisas correm bem todos querem ficar na fotografia e este ano tem sido notório que o sucesso da equipa tem feito com que as pessoas apareçam mais no estádio a apoiar», vincou Miguel Alexandre.

Objetivos ainda por cumprir

Apesar da presença na final da Taça ser um marco importante na temporada, existem ainda objetivos por cumprir. Um deles passa claramente por vencer o jogo decisivo frente ao SC Pombal e levantar a Taça. O outro passa por voltar a ser campeão distrital – a última vez foi na época 2012/13 – e garantir a consequente subida de divisão, algo que, segundo Miguel Alexandre, o clube está preparado para assumir. «A direção vê com bons olhos a subida de divisão, algo que só aceitamos sendo campeões distritais», começou por dizer, acrescentando que atualmente a AD Portomosense é um clube «mais arrumado a nível financeiro» e que não há espaço «para grandes aventuras». «Só vemos com bons olhos a subida de divisão porque existe uma Liga 3, senão seria impossível pensarmos nisso. Só podemos pensar em projetos que não ponham em causa a integridade financeira do clube», concluiu Miguel Alexandre.

Reta final ao rubro

Quando faltam disputar cinco jornadas até ao final do campeonato, a AD Portomosense tem uma missão muito complicada pela frente para recuperar a desvantagem de dois pontos em relação ao líder UD Serra. A começar desde logo pelo jogo no próximo domingo, precisamente no terreno da equipa de Santa Catarina da Serra, numa partida que pode ser decisiva para as contas finais do campeonato. Na jornada seguinte, o nível de dificuldade não irá diminuir, já que a equipa de Pedro Solá vai receber o terceiro classificado, o SC Pombal, que derrotou a ADP na primeira volta (1-0). Seguem-se jogos de grau de dificuldade média – Guiense (fora) e Marinhense B (casa), terminando a época no terreno do SCL Marrazes.