Alcobaça está a ficar mais colorida. Diversos pontos do concelho estão a receber esta semana intervenções de arte urbana, no âmbito da última etapa da primeira edição do FLUA – Festival de Linguagens Urbanas de Alcobaça, um evento de arte pública, com curadoria e organização da Associação Riscas Vadias em parceria com a União de Freguesias de Alcobaça e Vestiaria (UFAV). Até à próxima sexta-feira, dia 21, «os artistas estarão a fazer as suas intervenções nas paredes» da cidade, depois de terem apresentado propostas «muitíssimo interessantes», refere Isabel Fonseca, presidente da UFAV, que explica que o propósito do festival é «encontrar pontos identitários de Alcobaça e artistas diferentes que deem a sua perspetiva acerca da identidade da cidade».

«Queremos que as pessoas venham à descoberta de Alcobaça, alguns dos locais são fáceis de encontrar, outros são mais improváveis, queremos que as pessoas passeiem e descubram a cidade», sublinha a presidente. Haverá «pinturas identitárias» desde, por exemplo, o Centro Histórico de Alcobaça até à União de Freguesias de Alcobaça e Vestiaria.

De acordo com Isabel Fonseca, estas pinturas são «uma forma de arte livre, que ao contrário daquilo que as pessoas pensam, não é grafitado, é uma arte muito interessante e que dá muito trabalho», refere.

Em Alcobaça «têm sido muito parcas as ações no âmbito das artes mais modernas e atuais, tem havido muito pouco investimento por parte da Câmara ou mesmo nenhum», lamenta a presidente, referindo até que «tem sido sempre a Junta a investir neste âmbito». «Para quem nos visita também é agradável ter espelhado nas paredes a nossa identidade de uma forma mais moderna», acrescenta Isabel Fonseca, revelando a ambição deste tipo de arte de Alcobaça «estar no roteiro de arte urbana que será feita no distrito e na região Oeste».

Isidro Bento | revisão