Há mais de um mês que Rui Pedro Fonseca e outras cinco pessoas decidiram criar uma petição a que deram o nome de «Pelos crimes ambientais praticados por suiniculturas na Região de Leiria». O objetivo é, segundo um dos proponentes, «fazer com que o Governo tome medidas que pecam por tardias, mas que têm de ser tomadas, pelo bem do ambiente e das populações do rio Lis».

«As questões ambientais que estão agregadas às descargas ilegais do efluentes que são libertados por umas das 400 suiniculturas na região de Leiria é um caso que se arrasta há quase três décadas», alerta Rui Pedro Fonseca. E mesmo depois da construção de uma ETAR que, segundo adianta, «custou 9 milhões de euros e foi feita com dinheiros dos contribuintes», o caso «está pior ainda». «É caso para dizer que o crime compensa e que os prevaricadores continuam a prevaricar», frisa.

A petição reúne hoje, dia 29 de julho, 4 390 assinaturas, um número ainda insuficiente para o objetivo que se pretende atingir. «São precisas 10 mil assinaturas, por isso é fundamental que pessoas, sobretudo na região da Leiria que assinem a petição para que possamos, em conjunto, ir ao Parlamento, para que o Estado tome medidas, que a meu ver, têm que ser urgentes», realça Rui Pedro Fonseca, um dos rostos por detrás da petição.