O Município de Porto de Mós está a criar, no FabLab, uma unidade de reciclagem criativa, onde se pretende dar uma nova vida ao plástico recolhido nas escolas. Em declarações a O Portomosense, o vereador da Inovação e Empreendedorismo, Marco Lopes, responsável pelo FabLab, explicou que a iniciativa se insere num «movimento internacional, o Precious Plastic», que pretende «promover, divulgar e partilhar soluções para o problema da poluição dos plásticos». «Este é um grupo mundial, onde se partilha conhecimento, ferramentas e técnicas para, do plástico velho, criar novas peças. Queremos também sensibilizar a comunidade para diminuir a utilização de plástico, optando por alternativas mais sustentáveis», refere Marco Lopes.

Na prática, no concelho, vão colocar-se contentores nas escolas, «onde professores e alunos podem depositar os plásticos usados». «Vamos começar pelas escolas primárias e secundárias e ainda estamos a pensar se envolvemos também as pré-escolas», avança o vereador. Da operacionalização do projeto consta também a sensibilização e explicação, nos estabelecimentos de ensino, de «como se faz a separação dos plásticos».

Os produtos recolhidos irão depois para o FabLab, onde estão quatro máquinas artesanais de reciclagem, que foram já testadas e estão prontas a funcionar. O resultado da transformação do plástico pode dar origem a «filamento para as impressoras 3D, mas também podem ser criados vários tipos de moldes, depende das ideias criativas que se tenham», adianta o autarca. Apesar disso, a ideia fundamental é «criar peças que possam ser úteis nas escolas».

Marco Lopes acredita que «os mais novos são importantes agentes na mudança da separação das embalagens» e que, «nos tempos de hoje, é mais fácil uma criança querer fazer a separação e até ter mais apetência do que os pais, porque se fala muito dos problemas que os plásticos podem trazer posteriormente». Para contribuir para esta sensibilização, a intenção é trazer os alunos ao FabLab para verem, com os próprios olhos, a transformação a acontecer: «A ideia é assistirem à criação de um produto, saberem como é que, depois de triturar o plástico, lhe podemos dar outra vida. Ao ver o produto final, criado a partir da reciclagem do plástico, será mais fácil entenderem a necessidade de a fazer», considera. Além disso, é intenção do Município, elaborar um ranking com as escolas que recolheram mais plásticos.

O vereador disse também que a expectativa é que o projeto esteja em curso ainda antes do final do ano, uma vez que falta apenas colocar os recipientes nas escolas.