Porto de Mós acolheu no dia 16 de agosto a Gala de Repescagem das 7 Maravilhas da Cultura Popular, que juntou mais seis candidatos às meias-finais, onde já estão os Muros de Pedra Seca de Porto de Mós. O Parque Almirante Vítor Trigueiros Crespo recebeu os vinte melhores segundos classificados de cada distrito e também dos arquipélagos dos Açores e Madeira e destes 20, seis foram escolhidos para se juntarem aos já pré-finalistas apurados. Quem recolheu mais votos do público e passou à próxima fase foi: Bailinho da Madeira (categoria Músicas e Danças), Criptojudaísmo de Belmonte (Rituais e Costumes), Festa da Transumância e dos Pastores (Rituais e Costumes), Festas de São João (Festas e Feiras) Romaria de São João D’arga (Procissões e Romarias) e Santo António, Festas de Lisboa (Festas e Feiras). O segundo melhor do distrito de Leiria, a Procissão dos Caracóis – Festa de Nossa Senhora do Fetal, foi assim eliminado.

Eduardo Amaral, vice-presidente do Município, foi um dos primeiros a intervir no programa e, como anfitrião, teve oportunidade de divulgar o concelho. A «beleza» do castelo foi um dos assuntos, mas não só. O também vereador da Cultura salientou que esta é uma região «com muita diversidade» e que tem conseguido atrair muitos visitantes, acreditando que as 7 Maravilhas têm contribuído para isso, através das candidaturas que o concelho tem feito. Eduardo Amaral falou ainda do projeto do FabLab, «um espaço onde a comunidade científica e a própria população pode vir testar e produzir», fazendo a ponte também com «as empresas com tecnologia» no concelho. O forte «tecido empresarial» foi mencionado pelo vice-presidente, que lembrou que muitas destas empresas «não fecharam» neste contexto de crise. Eduardo Amaral frisou ainda que o turismo é uma das grandes apostas do Município e por isso «a construção de uma rede de percursos de 700 quilómetros».

“Porto de Mós foi um excelente anfitrião”

O Portomosense falou com o presidente das 7 Maravilhas, Luis Segadães, que frisou que Porto de Mós foi «um ótimo anfitrião» e que apesar do concelho já ter uma maravilha eleita (as Grutas de Mira de Aire) é ainda «uma região muito desconhecida e que tem tanta coisa para oferecer». O responsável deixou um elogio aos Muros de Pedra Seca, mas sobretudo à narrativa: «A questão dos muros é absolutamente extraordinária, não só pelos muros em si, mas pela tónica que escolheram “os muros que unem”. É uma ideia magnífica». Luis Segadães frisou ainda que o objetivo da organização do concurso é mostrar «novos motivos» para visitar Portugal de norte a sul.

As meias-finais do concurso estão marcadas para 23 e 30 de agosto. A primeira realiza-se em Salir (Loulé) e a segunda, que inclui os Muros de Pedra Seca, realiza-se em Torres Novas. A declaração oficial das 7 Maravilhas da Cultura Popular vai ocorrer a 5 de setembro, em Bragança.