Porto de Mós vai integrar o Movimento Municípios pela Paz, uma rede pioneira constituída pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) e por um conjunto de municípios que se compromete a cumprir 10 compromissos para com a sociedade no âmbito da promoção da paz. A decisão foi tomada por unanimidade na reunião de 4 de março, do executivo camarário.

De acordo com o vice-presidente da Câmara, Eduardo Amaral, os municípios além de garantirem cumprir estes 10 compromissos, vão também, cada um por si, desenvolver um conjunto de iniciativas neste âmbito, estando previstas, ainda, outras, comuns a todos os membros da rede, nomeadamente ações específicas com a comunidade escolar e com outros segmentos da população.

Eduardo Amaral disse que o Município se revê por inteiro no primeiro dos princípios propostos – a paz é essencial à vida humana e uma condição indispensável para o progresso, o bem-estar, a democracia e a liberdade dos povos, e um mundo melhor para toda a humanidade – e que tem como «uma das principais prioridades a defesa dos direitos fundamentais, liberdades e garantias da sua comunidade e da população em geral e a eliminação das desigualdades e de todo e qualquer tipo de violência» e daí a decisão de aderir ao Movimento.

Os 10 princípios orientadores olham para a paz em sentido amplo, ou seja, é algo que vai bastante além da noção de “ausência de guerra” e daí que a nível local o plano passe pela promoção da paz nos domínios da educação, do desporto e da cultura, e isto como forma de chegar a uma sociedade mais democrática, mais cooperante entre si e mais justa.

Do calendário de iniciativas públicas promovidas pelo Movimento constam o assinalar do Dia Internacional do Desporto para o Desenvolvimento e a Paz (6 de abril), os bombardeamentos nucleares de Hiroxima e Nagásaqui (6 e 9 de agosto), o Dia Internacional da Paz (12 de setembro) e do Dia Internacional para a Abolição Total das Armas Nucleares (26 de setembro).

Município junta-se ao combate ao desperdício alimentar

Durante a reunião de Câmara, o presidente, Jorge Vala, aproveitou para anunciar a adesão de Porto de Mós a outro movimento, neste caso o dos Municípios de Combate ao Desperdício. O autarca recordou que o Município já tem algum trabalho feito nesta área com as escolas, estando agora a arrancar um novo projeto educativo, no entanto o objetivo é também ir junto da comunidade sensibilizando-a para o combate ao desperdício. A título de exemplo de boas práticas nesta área, referiu o projeto nacional Re-food (que inspirou, a nível local, o Rodas Food, do Motor Club Rodas de Aço, com sede na Tremoceira), em que é feita a recolha junto de restaurantes, supermercados e outras entidades, de refeições já preparadas ou bens alimentares que depois são distribuídos por famílias carenciadas. Se assim não fosse, o destino destes bens alimentares seria um qualquer caixote do lixo por não poderem ser colocados de novo à venda.

Falando de outros projetos em parceria, Jorge Vala revelou que «no âmbito da adesão do Município à Rede de Turismo Militar, o concelho integra agora a Rota da Boa Memória que passa pelo Castelo de Porto de Mós e termina no Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota (São Jorge) inspirada no período de 1383-1385 que culminou com a Batalha de Aljubarrota.

O Município integra, ainda, a Associação Portuguesa de Cidades e Vilas de Cerâmica, e nesse âmbito, ainda este ano deverá passar pelo concelho uma exposição europeia. Entretanto, a associação já tem o seu espaço na internet e nele participam também artesãos do concelho, informou o autarca.