Na última reunião de Câmara pública, realizada na passada sexta-feira, o presidente da Câmara, Jorge Vala, informou que, no concelho, havia já, à data, 19 700 pessoas vacinadas contra a COVID-19, com as várias vacinas disponíveis. O autarca referiu ainda que 27,5% da população tem já a vacinação completa.

«Em números globais, com a primeira dose da Pfizer, temos 6 138 pessoas [vacinadas] e 3 835 com as duas doses. Da Astrazeneca, 1 953 já têm a primeira dose e 220, as duas», revelou, acrescentando que com a vacina da Johnson & Johnson, que requer apenas uma inoculação, há já 230 vacinados. No que toca à primeira população vacinada, os utentes de lares de idosos e de unidades de cuidados continuados, «o total não tem sofrido grandes alterações», evoluindo, no entanto, «praticamente até à totalidade», faltando neste momento um número «muito residual» de pessoas por vacinar. No total 1 416 pessoas, nesse contexto, estão imunizadas.

Jorge Vala salientou que a «realidade do concelho está a evoluir muito bem» e que o processo de vacinação tem sido interrompido apenas quando todas as pessoas de determinada faixa etária estão já vacinadas, não podendo, de acordo com as normas da Direção-Geral da Saúde, passar de imediato às próximas. «O que tem acontecido nalgumas situações é compensar alguns concelhos limítrofes que estão mais atrasados», sendo pessoas das populações vizinhas encaminhadas para serem vacinadas em Porto de Mós.

Na reunião, o presidente da autarquia disse ainda que se está a proceder à substituição dos profissionais do Município que têm dado apoio nos centros de vacinação: «Tem sido feito com muita cautela por forma a garantir que não destapamos aquela aprendizagem que foi adquirida e, portanto, estamos a inserir, na maioria dos casos semanalmente, novos profissionais do Município para integrarem a equipa de cerca de 10 pessoas, assistentes operacionais que estão ao serviço do processo de vacinação diariamente, além dos profissionais de saúde, dos bombeiros e dos motoristas», explicou.

Com Isidro Bento