A tradicional e secular procissão do Senhor dos Passos de Porto de Mós, vai realizar-se nos próximos dias 30 e 31. Como vem sendo hábito, no sábado dia 30, pelas 19 horas, tem lugar a celebração da missa vespertina na Igreja de São Pedro, seguida da procissão com a imagem de Nossa Senhora da Agonia, para a Igreja de São João.

A procissão do Senhor dos Passos propriamente dita, tem lugar no dia seguinte pelas 17 horas, altura em que na Igreja de São Pedro será pregado o Sermão do Pretório. A procissão sairá do templo em direção à Praça da República, onde será celebrado o Sermão do Encontro, percorrendo o percurso habitual.

Após o encontro de Maria, mãe de Jesus com Seu Filho, a procissão segue em direção à Igreja de São João, onde será proferido o Sermão do Calvário. Daqui, já com os archotes acesos, segue a procissão do Enterro, culminando na Igreja de São Pedro.

Os sermões deste ano serão proferidos pelo padre Vitor Mira, pároco de Alqueidão da Serra e Alcaria. A organização convida a população do concelho a participar nesta tradicional manifestação de fé, assim como os moradores do itinerário da procissão, a ornamentarem as casas de forma tradicional.

Remonta ao século XVII?

Tudo leva a crer que a realização da procissão do Senhor dos Passos em Porto de Mós, se tenha iniciado com a criação do Convento dos Agostinhos Descalços, ou talvez antes, a fazer fé nos escritos de Kevin Carreira Soares e Beatriz Rodrigues Cabral, na publicação O Bom Jesus de Porto de Mós – Convento dos Agostinhos Descalços – 1673/1834, editado pela Fábrica da Igreja de São Pedro de Porto de Mós, em 2017. «A vivência religiosa tinha reflexos nas frequentes celebrações e festas religiosas ao longo do ano, tendo como corolário a procissão penitencial do Senhor dos Passos, intimamente ligada tanto à própria fundação do Convento dos Agostinhos Descalços como à Misericórdia e às três paróquias da vila…».
De acordo com a mesma publicação, um tal frei Guilherme de Santa Maria escreveu que «a procissão do Senhor dos Passos começou a fazer-se quando um fidalgo de nome Jerónimo de Castro e Melo, se instalou na vila. Saído da corte, mudou-se para Porto de Mós onde se dedicou a exercícios de práticas de piedade e caridade…». E mais adiante «…infelizmente, a crónica é omissa relativamente à identidade deste Jerónimo de Castro e Melo e ao ano em que se instalou em Porto de Mós».
A obra citada, transcreve um excerto de uma local publicada no jornal O Leiriense, de Fevereiro de 1855: «No domingo, 25 do corrente, teve lugar em Porto de Moz a solene Procissão dos Passos. Ainda que chuvoso e dezabrido o dia, ondas de povo cruzavam as ruas da vila; era o sentimento religioso, era o impulso de uma devoção cordeal, ao santo exercício deste povo».
Os autores de O Bom Jesus de Porto de Mós – Convento dos Agostinhos Descalços – 1673/1834 falam um pouco da atualidade da procissão do Senhor dos Passos, dizendo nomeadamente, que decorre em dois dias e que se realizam três sermões, do Pretório, do Encontro e do Calvário.