Início » Programa comunitário “investe” mais de 18 milhões de euros em Porto de Mós

Programa comunitário “investe” mais de 18 milhões de euros em Porto de Mós

20 Março 2023
Catarina Correia Martins

Texto

Partilhar

Catarina Correia Martins

20 Mar, 2023

Na última sessão da Assembleia Municipal de Porto de Mós, o presidente da Câmara, Jorge Vala, fez um ponto de situação acerca do pacto de financiamento Portugal 2020, e adiantou algumas das ideias que fazem já parte da concertação para o Portugal 2030. Depois de adiantar que, naquele mesmo dia, havia recebido tal informação, o autarca explicou que o objetivo é que, até ao final deste ano, se tenha atingido a taxa de 100% de execução, «ou seja, chegar ao final do quadro [comunitário] e não ter de devolver dinheiro à União Europeia».

«O Município de Porto de Mós tem [neste momento] uma taxa de execução de 86,1%», disse, explicado que falta apenas «um milhão de euros para executar». Nesse valor inclui-se a Área de Localização Empresarial de Porto de Mós, «que vai ficar concluída no mês de maio»; um «projeto de património natural, que não está totalmente concluído» e «haverá mais alguns». «Recentemente incluímos num pacto da Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria (CIMRL) uma obra que, inicialmente, não estava prevista – um financiamento a 85% para o Miradouro do Chão das Pias. Há um conjunto de obras que ainda podem entrar no pacto 2020 e que, se assim for, podem fazer com que ultrapassemos este milhão de euros e tenhamos uma taxa de execução acima dos 100%», explicou Jorge Vala.

Feito o balanço, foi tempo de dar a conhecer um pouco do futuro (que começa agora). Relativamente ao próximo quadro comunitário, o presidente do Município alertou que «este pacto tem um princípio que vai ser o futuro»: «Vamos deixar de ter comparticipações comunitárias para apoiar infraestruturas, tudo o que podemos imaginar que tenha que ver com construção. No futuro, vamos ter a qualificação dos recursos humanos, a questão da inteligência artificial, muita coisa ligada à desmaterialização e ao ambiente e, portanto, temos que canalizar o nosso esforço para o passo seguinte. Não podemos ficar fixados no passado, pese embora tenhamos todos a consciência de que há ainda muito a fazer», afirmou o autarca, referindo-se, por exemplo, ao saneamento. «Estas são preocupações nossas, mas deixaram de ser preocupações da Europa e temos de ter essa consciência», avisou.

Projetos para Porto de Mós

Jorge Vala elencou alguns dos projetos já pensados para o concelho, que devem ser incluídos neste novo pacto.

    • «O Município de Porto de Mós tem mapeado a capela de São Jorge como monumento nacional, em primeira prioridade, e a reabilitação da Igreja Velha do Arrimal, em segunda prioridade»;
    • Pretende-se a criação do Espaço Cidadão nas freguesias, assim como a «digitalização e modernização administrativa do Município»;
    • Quer-se a criação de um espaço de cowork em Mira de Aire;
    • Está planeada a requalificação da EB2 Manuel de Oliveira Perpétua;
    • Há um milhão de euros «para a eficiência energética num conjunto de edifícios» (piscinas, pavilhões, edifícios municipais e a Câmara);
    • A Câmara pretende modernizar o sistema de telegestão para o saneamento, fazendo parte desta rubrica o saneamento da Cumeira, Cruz da Légua e Moitalina, assim como a terceira fase da obra, em Mira de Aire;
    • Está em vista «um projeto inovador de transição para a economia circular, com a eficiente utilização de água, nas regas dos jardins municipais»;
    • O Município já fez uma candidatura para a reabilitação da antiga pedreira da Ricel;
    • Em agenda estão também várias ciclo e ecovias (ciclovia São Jorge – Porto de Mós, sendo que, numa primeira fase, chegará apenas à ALE; ciclovia Porto de Mós – Boavista – Ribeira de Cima; ecovia Porto de Mós – Fonte dos Marcos; ecovia Alcaria – Alvados; ecovia Mendiga – Arrimal; e ecovia Valicova – Alqueidão da Serra);
    • No pacto inserem-se projetos para o parque verde da Calvaria de Cima e a segunda fase do parque verde de Porto de Mós;
    • Quer-se implementar um sistema de bike-sharing;
    • Da lista faz ainda parte a reabilitação do Cineteatro e do Mercado Municipal de Porto de Mós; assim como das extensões de saúde de Arrimal/Mendiga e do Alqueidão da Serra e, ainda, do Centro Escolar do Juncal.

«Estamos perante um “bolo” de 18,5 milhões de euros», referiu Jorge Vala, dizendo ainda que a este valor acresce o projeto da Escola Secundária de Porto de Mós, cuja obra tem um valor estimado de 7,5 milhões de euros, que não se incluem neste pacto, mas que poderão vir a ter financiamento comunitário específico para o efeito.

Além destes, há projetos que serão candidatados no âmbito da CIMRL, como «a segunda fase da ALE de Porto de Mós e a segunda fase de Mira de Aire»; projetos de «adaptação às alterações climáticas e prevenção dos riscos de catástrofe»; a requalificação do parque desportivo das Pedreiras, transformando-o numa pista de atletismo; e ainda «um apoio para a criação do Geoparque de Aire e Candeeiros».

Foto | Isidro Bento

Publicidade

Este espaço pode ser seu.
Publicidade 300px*600px
Half-Page

Primeira Página

Em Destaque