Foto: Catarina Correia Martins

No passado dia 3, o Castelo de Porto de Mós acolheu a cerimónia de receção aos professores, que pretende ser um momento de “boas-vindas” a todos os docentes que neste ano letivo vão dar aulas no concelho. Num início de tarde quente, foram várias as dezenas de professores que participaram na cerimónia.

O presidente da Câmara Municipal, Jorge Vala, começou por dar as boas-vindas, lembrando que todos sabem «que não é possível falar de uma sociedade evoluída, ignorando o papel dos professores que é fundamental na formação académica de todos». O autarca afirmou que todas as propostas feitas pelo Município «têm sido abraçadas» pelos professores e «têm sido bem sucedidas». Pelo segundo ano consecutivo, a autarquia apresenta um tema para o projeto educativo, que pretende «ser um complemento às atividades já programadas e dinamizadas pelas escolas». O ano letivo transato «tematizou a água, algo de fundamental», este ano, o tema escolhido foi a Sustentabilidade Ambiental.

O presidente apresentou algumas das atividades que serão realizadas ao longo do ano letivo que agora inicia, destacando-se a oferta de três atividades para o pré-escolar: atividade física, música e inglês, sendo que no ano anterior apenas havia uma e informou que o inglês conta com o apoio das Juntas de Freguesia. Jorge Vala salientou o evento Futurmós, que conta já com duas edições, «foi referenciado a nível nacional, no âmbito do Ministério da Juventude».

O autarca deu ainda conta de que tem sido feito «um investimento muito significativo» nos parques infantis das escolas do primeiro ciclo e que, neste momento, todas essas infraestruturas estão certificadas. «Aqueles em que sabemos que é precisa nova intervenção, está a ser feita e portanto não vamos iniciar o ano letivo sem os parques infantis estarem operacionais», afirmou Jorge Vala. O presidente do Município referiu que «o mesmo acontece com o apetrechamento das escolas», em que foi feito investimento em quatro escolas recentemente: Alqueidão da Serra, Mendiga e Jardins de Infância da Fonte do Oleiro e do Arrimal. «Colocámos [também] um computador fixo em todas as escolas», revelou.

Uma outra novidade relativamente a este ano letivo foi dada pela vereadora da Educação, Telma Cruz, que aquando da apresentação do projeto educativo deu conta de que «pela primeira vez» o Castelo está «disponível como ambiente de aprendizagem»: «Disponibilizamos o Castelo para uma aula, querem lecionar aqui um conteúdo, seja ele de que disciplina for, podem requisitá-lo e nós preparamos, quer em ambiente ao ar livre, quer numa pequena sala que temos, disponibilizamos os meios, as cadeiras, o quadro, proporcionamos um ambiente inovador de aprendizagem», explicou a vereadora. Telma Cruz adiantou ainda que os alunos de hoje «têm tudo à distância de um clique, mas depois para vivenciar e experienciar» têm de ser os professores a proporcionar as oportunidades. «É também um novo desafio que vos [aos professores] coloco», reiterou.

Na cerimónia houve ainda lugar à apresentação de atividades específicas, como o Crianças ao Palco, explicado pelos seus dinamizadores Paulo Sanches e Sérgio Fernandes; ou as que têm a parceria das Águas do Centro Litoral, apresentados pela coordenadora do Departamento de Comunicação e Educação Ambiental da empresa. Também a técnica do Ambiente da Câmara Municipal de Porto de Mós, Patrícia Vala Carreira, apresentou algumas atividades relacionadas com o pelouro do Ambiente e que serão dinamizadas ao longo deste ano.
Na passada terça-feira, foi também feita uma receção formal ao pessoal não docente.

As boas-vindas das escolas

O diretor do Agrupamento de Escolas de Porto de Mós, Rui Cláudio, fez «um especial voto de boas-vindas a todos os que passarão a integrar esta grande organização» que é o Agrupamento. Rui Cláudio disse-se «certo de que o caminho para o sucesso exige muito empenho, persistência e dedicação» e afirmou estar «sempre disponível para colmatar eventuais fragilidades, superar adversidades e caminhar lado a lado na construção de uma escola de qualidade».

Também Tânia Galeão, diretora pedagógica do Instituto Educativo do Juncal (IEJ), deu as boas-vindas aos professores e referiu que o IEJ continua «a reorganizar-se com a perda significativa de turmas e de alunos desde 2016». «Optámos por ter uma oferta privada com algumas especificidades, que apesar de cumprirem as orientações gerais do currículo nacional, dão ênfase ao ensino bilingue, ao trabalho autónomo, ao trabalho de projeto e ao trabalho colaborativo, partindo da metodologia SOLE, criada pelo pedagogo Sugata Mitra, e que apresenta um modelo educativo que fomenta a aprendizagem através da descoberta e que parte do pressuposto que a curiosidade natural dos alunos é mesmo a melhor ferramenta para criar conhecimento», explicou Tânia Galeão. A par disso, o IEJ oferece ainda cursos profissionais, «adequados à realidade mais próxima das empresas e indústrias da região».