Quem ainda não participou na recolha de bens a favor do povo ucraniano e o quiser fazer poderá entregar nos próximos dias a sua dádiva na sede de cada uma das 10 juntas de freguesia, assim como nos quartéis de bombeiros do concelho. Depois do sucesso da ação dinamizada por alguns ucranianos em parceria com os bombeiros de Porto de Mós, uma das decisões saídas da reunião que juntou Câmara, Juntas e comunidade ucraniana local, foi a de prolongar a recolha que estava prevista acabar a 1 de março.

Assim, são bem vindos artigos de saúde (kits de primeiros socorros, medicamentos, soro fisiológico, seringas, luvas, ligaduras, pensos), alimentos com prazo de validade longo, roupa quente (sacos-cama, mantas, cobertores, vestuário), calçado, produtos de higiene (fraldas para crianças e idosos, desinfetantes, artigos de higiene pessoal). Todo o material entregue nos 13 pontos de recolha será depois transportado para o pavilhão da Associação Cultural e Recreativa do Chão Pardo (Juncal) onde será devidamente separado e preparado para depois seguir para a Ucrânia. O ponto de entrega ainda está por definir mas tudo indica que o camião ou camiões que saírem de Porto de Mós irão rumar até a uma das zonas de fronteira da Polónia com a Ucrânia onde será feito o transbordo para veículos de uma associação ucraniana que fará a distribuição no país. No decorrer da reunião, o presidente da Câmara de Porto de Mós, Jorge Vala disse que o Município irá assegurar as despesas de transporte e que conta, para já, com o apoio de uma empresa de transportes internacionais do concelho estando convicto que outras, decerto, irão querer também ajudar. Tendo por base o «enorme sucesso» que foram estes dois dias de recolha, o autarca acredita que agora, com vários pontos de entrega, os portomosenses vão voltar a mostrar a sua solidariedade e, se tudo correr bem, na próxima semana já poderá estar a sair o primeiro camião com a ajuda de Porto de Mós.

Foto | Rita Batista