«O caudal do rio Lena está transformado num pequeno fio de água em várias zonas do seu trajeto» denunciou, recentemente, em comunicado, a Câmara da Batalha que, em consequência disso, exige uma intervenção urgente por parte da APA – Agência Portuguesa do Ambiente.

«Além da seca, a retenção de águas em açudes ilegais e o “excesso” de bombas de rega ligadas em vários pontos do rio Lena [no concelho da Batalha]» explicam, no entender, da autarquia batalhense «a falta de água que está a colocar em risco o equilíbrio ambiental do rio e suscitou um pedido de intervenção urgente da APA».

Face a esta situação a Câmara da Batalha exige da APA, a entidade do Ministério do Ambiente responsável pela fiscalização e licenciamento da utilização dos recursos hídricos, uma intervenção urgente «no sentido de verificar os títulos de utilização emitidos para o Rio Lena» e considera que aquela entidade deve «determinar que os utilizadores se abstenham de prática de atos ou atividades que causem a degradação do estado das massas de águas e gerem outros impactes ambientais negativos».

Para o presidente da Câmara, Paulo Batista Santos, «é urgente que a APA assegure um controlo mais eficaz nos recursos hídricos licenciados e na fiscalização regular de açudes que estão a reter ilegalmente água para usos privados e não autorizados».