A Rosários 4, empresa de Mira de Aire, especializada em tricô, crochê e arroiolos, lançou uma ação de Natal em que «convidou as pessoas a recriarem as peças que a empresa lançou para oferecerem aos familiares, amigos, vizinhos como decoração de Natal, pequenos enfeites», explica a diretora de marketing da empresa, Liliana Carvalho. No total a empresa lançou três peças, em parceria com a designer Filipa Carneiro, «pequenas e muito fáceis de executar» que podem servir para decorar qualquer parte da casa. A iniciativa começou no dia 4 de dezembro com a divulgação da primeira peça (uma folha de Natal), as outras duas foram lançadas a 11 e 18 de dezembro (uma meia de Natal e um floco de neve). E como é que as pessoas podem recriar estas ideias? Através de tutoriais. Aquando do lançamento de cada peça, foi divulgado na página da empresa (www.rosarios4.com) um documento com um tutorial escrito com todos os pormenores de execução e no mesmo dia, foi lançado também um vídeo elucidativo, no canal de Youtube da designer (https://www.youtube.com/c/Nionoi) e que continuam a estar disponíveis.

Apesar de Filipa Carneiro não ter ligação direta ao concelho, tem colaborado com a empresa mirense «há algum tempo», sendo este mais um «projeto pensado em conjunto». Liliana Carvalho diz que a iniciativa teve um feedback muito positivo por parte da comunidade: «Conseguimos perceber o impacto essencialmente através das redes sociais e das partilhas que têm feito. Já vimos muitos trabalhos recriados, muitas pessoas a aderir e a fazer estes trabalhos mesmo com o intuito de oferecer». A diretora de marketing salienta ainda que as pessoas «entenderam muito rapidamente a iniciativa e abraçaram-na de uma forma muito carinhosa».

Todos os anos, no Natal e não só, a Rosários 4 procura «fazer várias iniciativas que acabam por estar ligadas ao momento e ao contexto» que se vive. «Neste caso, foi uma iniciativa que nasceu deste sentimento que já há alguns meses começámos a sentir, por causa da pandemia, da dificuldade que seria estarmos com todas as pessoas que gostamos», frisa Liliana Carvalho. Foi a partir deste pensamento «que foi nascendo esta ação», explica a responsável, que diz que fazendo e oferecendo estes enfeites é uma forma «de estarmos presentes nas casas das pessoas que mais gostamos».

Peças feitas à mão voltam a ser realidade

O objetivo desta iniciativa é também «fortalecer e tornar unida a comunidade de pessoas que gosta de fazer tricô, crochê» e todas estas atividades, defende Liliana Carvalho. Ao contrário do que «se poderia pensar», estas «artes estão cada vez mais vivas», não apenas a nível «local, mas também a nível mundial». «Há cada vez mais pessoas com interesse em criarem, vestirem e terem peças feitas por elas próprias, com materiais que elas conhecem», valorizando aquilo «que é feito de uma forma mais cuidada e sustentável», frisa. Estas peças são «feitas à medida das pessoas, dos seus gostos e são peças que acabam por ter uma história, criam um envolvimento emocional muito grande, até pelas horas dedicadas à sua execução»: «É completamente diferente do que algo que é comprado, não há uma ligação como o que é feito à mão», conclui.