O secretário de Estado adjunto e da Economia, João Neves, visitou esta manhã duas empresas do concelho de Porto de Mós, a Manulena com sede em Mira de Aire e a LSI Stone nas Pedreiras. As duas conseguiram suportar a crise da COVID-19 e manter alguns dos seus projetos, reinventando o seu negócio e são, há vários anos, referências na região.

Esta visita é, por isso, um reconhecimento do trabalho desenvolvido por ambas, em áreas bem distintas, frisou a O Portomosense o secretário de Estado, João Neves: «São de duas áreas muito distintas, a LSI Stone do produto natural que é muito comum aqui na região e por isso de algum modo emblemático das atividades que existem em Porto de Mós. É uma empresa com características muito especiais, porque tem tido uma aposta muito grande na transformação digital na sua exploração e tem produtos com características técnicas e de inovação muito acentuadas». Já em relação à empresa Manulena, João Neves destaca que é uma «empresa com características muito próprias que parte de uma atividade muito artesanal e que tem uma enorme incorporação de tecnologias, tem uma gama muito vasta, aproveitando aquilo que era o know-how inicial e transformando uma empresa inicialmente de velas numa empresa com características em todas as áreas do conforto da casa, a partir do cheiro, da cor que transforma a nossa vida quotidiano em algo mais agradável».

O secretário de Estado frisou ainda que estas empresas conseguem vingar «em sítios quase improváveis do ponto de vista da existência das empresas porque os acessos não são simples, a vida quotidiana não é simples, mas os empresários são capazes junto com os trabalhadores de transformar estas empresas em exemplos, com enorme vocação exportadora». João Neves lembrou que estão a ser vividos «tempos que não sonhávamos» e que tem conseguido observar uma «enorme capacidade de resistência dos empresários e trabalhadores» em termos nacionais.

[Leia a reportagem completa na próxima edição de O Portomosense que sai a 6 de agosto de 2020]