Em Serro Ventoso, continuam a eternizar-se memórias e tradições em livro. A obra O Galo Cabouqueiro é mais uma que veio juntar-se à coleção, agora composta por três livros infantis que remetem para a história desta freguesia. Depois de já ter sido publicado um sobre as lendas da freguesia e outro sobre as minas da Bezerra, este livro foi apresentado no passado dia 29 de julho, pelo presidente de Junta, Carlos Cordeiro, e pela autora do conto infantil, Daniela Martins.

Na apresentação, que decorreu no salão paroquial de Serro Ventoso, Carlos Cordeiro começou por destacar a importância do conto infantil O Galo Cabouqueiro, por ser um livro que fala sobre «uma das profissões mais importantes da freguesia», abordando histórias reais e personagens que efetivamente existiram, por isso, frisa, «apesar de este ser um conto escrito para crianças é um livro com muita verdade».

Daniela Martins, a autora do livro, agradeceu o desafio lançado pelo autarca e revela ter aprendido muito, desde palavras novas, a histórias de pessoas da terra. «Estas pessoas têm um saber que devemos preservar e valorizar, porque realmente são um património», considera. Acerca do conto infantil, a autora diz ainda que o galo entra na história como personagem principal e será ele a passar por uma «série de aventuras e de aprendizagens», baseadas na indústria das pedreiras no Codaçal, na sua história, mas também naquilo que existia antes, nomeadamente os artesãos «que faziam arcas para guardar salgadeiras e para armazenar azeite, pias para os animais beberem, entre outros utensílios» e «tudo era feito manualmente», realça.

No mesmo dia foi dado a conhecer o trabalho dos alunos dos 1.º e 3.º anos, que desafiados pelo professor Júlio Gordo, tiveram a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a Europa. #Eu Sou + Europeu é o nome da obra que com o acompanhamento do professor e a ajuda do presidente de Junta foi possível de concretizar. Agora, os alunos podem ver todo o seu trabalho impresso num livro.

«Este ano lancei aos meus alunos um desafio para descobrirmos um pouco sobre a Europa, daí o título escolhido: #Eu Sou + Europeu», conta o professor, acrescentando que o principal objetivo era que os alunos obtivessem mais conhecimento sobre os países que fazem parte da União Europeia e sobre a Europa, adquirindo outras informações para além dos nomes, tais como: a bandeira, a moeda, a localização, os pratos típicos e os locais a visitar em cada um deles. Os alunos aceitaram «com entusiasmo» o desafio e «empenharam-se na realização deste trabalho» que demorou um ano até ficar concluído, refere.

Relativamente a esta obra, Carlos Cordeiro considera ter sido «uma excelente ideia» do professor, frisando que, «hoje, todo o cidadão é do mundo e, por isso, faz sentido que saiba mais, além daquilo que existe na sua terra, na sua cidade ou no seu país», conclui.

Os livros apresentados estão à venda no quiosque de Serro Ventoso e na Junta de Freguesia e têm um custo de cinco euros, cada um.

Alunos de Serro Ventoso premiados

À cerimónia de apresentação dos livros seguiu-se a entrega de prémios aos alunos finalistas da pré-escola e do 4.º ano e os melhores alunos da escola de Serro Ventoso foram também recompensados com um valor monetário. Um apoio que o presidente de Junta de Serro Ventoso, Carlos Cordeiro, diz já ser dado «há seis ou sete anos» e que pode ser utilizado somente em material escolar. Antes de passar para a entrega de prémios propriamente dita, o autarca agradeceu a «todos aqueles que acreditam na escola de Serro Ventoso e que continuam a colocar as crianças e jovens nesta escola». Nem todos os alunos com direito a prémio estiveram presentes na cerimónia que juntou a comunidade escolar no salão paroquial de Serro Ventoso, no entanto, nestes casos, os prémios foram entregues às associações de pais correspondentes.

Jorge Vala reconhece trabalho da Junta de Freguesia de Serro Ventoso

O presidente da Câmara de Porto de Mós, Jorge Vala, também esteve presente na cerimónia, onde no final proferiu algumas palavras de reconhecimento por todo o trabalho que se tem desenvolvido nesta freguesia. Jorge Vala considera que Serro Ventoso marca pela diferença em relação a outras freguesias, «porque mais ninguém faz o que aqui se tem feito», aponta o autarca. A «recuperação da memória, com a eternização de profissões e da história de Serro Ventoso em livros», a aposta no «relacionamento das crianças com o mundo atual, com aquilo que se vive e sobretudo com a família e com os amigos numa proximidade, que em muitas circunstâncias não é comum», foram alguns dos pontos frisados pelo presidente que felicitou, mais uma vez, a Junta de Freguesia e fez um apelo aos pais para que continuem a apostar na escola de Serro Ventoso e mantenham os filhos nesta instituição escolar. «As escolas em meio rural têm, naturalmente, que ter sobrevivência, em primeiro lugar para manter estas aldeias, estas freguesias com os serviços básicos essenciais, e para não transportarmos toda a gente para a sede do concelho ou para os núcleos urbanos», refere Jorge Vala.

O autarca acredita que os prémios e o reconhecimento do mérito, dados todos os anos pela Junta, são benefícios que marcam a diferença. Jorge Vala reforça que também no concelho existem estratégias comuns e que apostam fortemente na fixação dos mais pequenos e dos seus pais em Porto de Mós. «Um concelho como o nosso que foi perdedor de população nos últimos 10 anos, tem de fazer de tudo para fixar as pessoas», frisa.

«Ligando-vos agora à vossa terra, certamente que os vossos filhos vão ser sempre filhos dela também», foi desta forma que o autarca terminou o seu discurso, agradecendo a todos os que continuam ligados à freguesia, não a deixando morrer.

Foto | Rita Santos Batista
Revisão | Catarina Correia Martins