O passado fim de semana foi de festa para a Sociedade Recreativa da Cabeça Veada, que celebrou 46 anos de existência. Do programa das comemorações (a 30 e 31 de julho) fizeram parte vários momentos, entre eles, a animação musical com a Escola de Concertinas da Cabeça Veada e com Acácio Gomes, uma missa e o serviço de bar e restaurante. No entanto, o ponto alto, como tem sido hábito, foi o 34.º Festival de Folclore da Cabeça Veada que juntou cinco grupos. Além do rancho da “casa”, estiveram também: Rancho Paroquial de Guifões (Matosinhos), Grupo Folclórico “Os Moliceiros de Ovar”, Rancho Folclórico de Torres Novas e Rancho Folclórico de Alenquer. O presidente tanto da associação como do Rancho Folclórico da Sociedade Recreativa da Cabeça Veada, Manuel Nazaré, mostrou-se bastante «feliz» com o regresso do festival dois anos depois. Ao contrário do que já tinha partilhado com O Portomosense recentemente, o ritmo de regresso começa a acelerar e tornou-se «mais fácil juntar os grupos» nestes eventos, assim como os membros do próprio rancho.

Desde o início na direção da Sociedade Recreativa, confessa que uma das maiores dificuldades ao longo destes 46 anos tem sido «captar novas pessoas» para seguir com o trabalho. «É preciso estarmos disponíveis, querermos mesmo estar aqui, por vezes, temos de deixar a nossa vida para estar na coletividade, em momentos que podíamos estar com a família, estamos aqui a tratar de coisas mas, com boa vontade, temos conseguido e temos caminhado», frisa.

Recuperados da pandemia e com o regresso dos eventos, Manuel Nazaré considera que este «ano está a ser muito muito positivo em tudo» para a associação. «As tasquinhas de Porto de Mós correram muito bem, o Festival de Folclore da Lagoa Grande também, o peditório que fizemos aqui [durante o evento de aniversário] foi positivo e temos de volta, aqui, hoje, pessoas amigas e que não víamos há vários anos», sublinha. Além de ter estado presente no festival na lagoa do Arrimal, o Rancho Folclórico da Sociedade Recreativa da Cabeça Veada esteve recentemente «em Matosinhos» e estará entretanto em Ovar. Nesta futura viagem, a comitiva da coletividade contará com a presença dos presidentes de junta de Arrimal e Mendiga, Serro Ventoso e São Bento. «Os presidentes estiveram aqui a jantar e disseram que faziam questão de ir connosco, é um orgulho e cria-se aqui uma amizade. Sempre que precisamos de ajuda, eles respondem», refere Manuel Nazaré.

Foto | Jéssica Moás de Sá