Há mais de duas décadas na Golpilheira, primeiro como jogadora e depois como treinadora, Teresa Jordão vai, agora, abraçar um novo desafio no Sporting Clube de Portugal, onde vai assumir as funções de coordenadora do futsal feminino de formação e treinadora da equipa feminina de juniores, anunciou o clube. Apesar de ser natural da Figueira da Foz, a também professora de Físico-Química reside no concelho desde que começou a lecionar no Instituto Educativo do Juncal (IEJ) há 23 anos. A Golpilheira, equipa batalhense, já foi campeã nacional com Teresa Jordão no comando e antes disso «já tinha conquistado títulos distritais, que levaram a algumas participações na Taça Nacional e inclusive a chegada a uma final». Todas estas conquistas, acredita, podem ter levado ao interesse por parte do Sporting: «O facto de nós termos ganho alguns títulos e termos sido campeãs nacionais acaba por projetar a equipa técnica, as jogadoras, se calhar começámos a ser vistos de uma outra forma. O Sporting já me tinha feito uma abordagem há uns anos atrás mas na altura não achei que era o momento certo, agora surgiu o convite formal e surgiu também a possibilidade de conciliar a minha vida profissional com a vertente desportiva e por isso aceitei», refere.

A lembrar o seu percurso até aqui, a técnica diz que o desporto sempre fez parte da sua vida, acompanhando desde nova o pai, que era treinador, no futebol, contexto que levou a que desejasse «tirar o curso de Educação Física, o que acabou por não acontecer por causa de um problema de coluna». Ainda assim, o seu caminho continuaria ligado ao desporto. «No concelho da Figueira da Foz, o único desporto que havia era o andebol e foi o que eu comecei por jogar. Quando vim para aqui para o Juncal, num daqueles convívios de professores e de alunos, uma colega nossa de Educação Física, a Nídia, que era a treinadora da equipa da Golpilheira convidou-me para jogar lá. Não fui no primeiro ano por não conseguir conciliar aulas com treinos, mas consegui no ano seguinte», conta. Dois anos depois, a Golpilheira ficou sem treinadora que abraçou outro projeto e foi Teresa Jordão que foi convidada para assumir o comando técnico. «Depois acabei por tirar o curso e por ser treinadora também das equipas do desporto escolar, das iniciadas femininas do IEJ. Durante vários anos fomos campeãs distritais, depois regionais e chegamos a ser campeãs nacionais durante dois anos nos escalões de juvenis», frisa. A treinadora acredita que o trabalho feito no IEJ também contribuiu para o sucesso da Golpilheira, uma vez que várias jogadoras que se iniciaram na escola, acabaram «por dar seguimento no clube».

Teresa Jordão foi apresentada formalmente pelos leões no dia 6 de agosto, mas iniciará o seu trabalho permanente em setembro. No entanto, uma vez que a treinadora vai assumir um papel de coordenação entre a equipa juvenil e sénior, esteve já presente no início dos trabalhos da equipa sénior do Sporting. Este papel, considera, «é fundamental nos clubes, é o que faz sentido e é o que tem faltado ao Sporting». A treinadora deixa ainda a garantia que «vai continuar a vir com frequência a Porto de Mós» onde vai continuar a ter casa. A ligação com o IEJ também não tem fim: «Não estou a encarar esta mudança como um total cortar de laços».