As meias na chaminé

Se calhar até costuma pôr as meias na chaminé, sobretudo se tem crianças em casa. Mas sabe como nasceu esta tradição? Reza a lenda que o bispo São Nicolau (figura que deu origem ao Pai Natal), um homem com muitas posses, era também muito generoso. Diz-se que ajudava a salvar marinheiros das tempestades, era solidário para com os mais pobres e defendia as crianças. São Nicolau teve conhecimento que três raparigas não podiam casar-se por não terem dinheiro e por isso, durante a noite, atirou umas moedas de ouro pela chaminé, que foram cair dentro das meias que estavam a secar, junto à lareira. Acreditando ou não nesta história, o que é certo é que, muitos de nós, já cumprimos esta tradição, na esperança de que, na manhã seguinte o Pai Natal deixe um presente, mesmo que o Pai Natal sejamos nós.

Bolo Rei

Uns amam, outros odeiam, mas mesmo os que não gostam, admitem que no centro da mesa de Natal, resulta muito bem. O original tem frutos secos e cristalizados, de várias cores e feitios. É tradição em Portugal, mas a receita, vem de França. Foi Baltazar Rodrigues Castanheiro Júnior, herdeiro do fundador da Confeitaria Nacional, que no século XIX trouxe a receita para cá. Em Portugal foi uma marca forte nos últimos anos de monarquia. Numa festa dos reis, a fava, que se costumava colocar no bolo e que era sinal de poder, calhou ao irmão mais novo, D. Manuel e não ao mais velho, D. Luís Filipe (natural sucessor de D. Carlos, no trono). A verdade é que a 1 de fevereiro de 1908, D. Carlos e o seu filho D. Luís Filipe foram assassinados e foi mesmo D. Manuel a suceder-lhe. Um ano depois da implementação da República, foi proposta mas rejeitada a alteração do nome.

Calendário do Advento

Primeiro é preciso explicar o que é o Advento, uma fase que os cristãos apelidam de preparação para o nascimento de Jesus e que começa quatro semanas antes do Natal. Para passar este período de uma forma mais alegre, criaram-se, em todo o mundo, calendários do Avento, e Portugal não fugiu à regra, sendo hoje já uma tradição para muitas pessoas. Para cada dia do calendário, há normalmente um chocolate, que deve ser comido naquele próprio dia. Com o reinventar das tradições, atualmente existem já calendários com diversos temas e com diferentes produtos. Há também quem faça estes calendários de forma manual, dando asas à criatividade.

Jantar de Natal e troca de presentes

É cada vez mais frequente, seja em contexto de trabalho, académico, ou com um grupo de amigos, realizarem-se jantares de Natal, durante o mês de dezembro. Esta tradição tem como objetivo poder viver o espírito natalício não apenas em contexto familiar, mas também com outras pessoas que fazem parte da nossa vida. Em muitos destes jantares realiza-se a troca de presentes, muitas vezes através do “amigo secreto”, escolhido por sorteio e apenas divulgado no próprio dia. Esta é uma forma de todos receberem um presente, sem que tenham que comprar prendas de forma individualizada para cada um.