Na próxima época o Juncalense vai ter novo treinador. Após três anos no comando da equipa, Jorge Branco, por decisão da direção, está de saída do cargo. «Não há nada a apontar ao treinador, cumpriu com tudo o que foi pedido em termos de integração e imagem do clube e na evolução do futsal, mas são opções que temos que tomar nos cargos para os quais fomos eleitos», explicou o presidente do Juncalense, Marco Amaro. O responsável afirma ainda que a direção achou «que este era o momento de fechar este ciclo e ir à procura de um treinador novo para mudar as rotinas já instaladas» e para «refrescar o clube». Marco Amaro quis «deixar bem claro» que o clube agradece «o trabalho do treinador»: «Foi uma pessoa que marcou a história do Juncalense, conseguiu a melhor classificação de sempre no campeonato, apurou-nos mais uma vez para a final four [da Taça do Distrito], a quarta vez, e embora as coisas não tenham corrido como esperávamos, a saída dele não tem nada a ver com isso, tem única e exclusivamente a ver com questões de gestão e de ciclos que se encerram», frisa.

Quanto ao novo treinador, «ainda não está escolhido». «Vamos estar em processo eleitoral, não sabemos ainda se teremos direção ou não, quem é que vai fazer parte, quem serão os futuros responsáveis do futsal, não nos parece bem estar a condicionar a escolha do treinador quando a época terminou há uma semana, até porque nunca sabemos como é que pensam as pessoas que vêm a seguir», explica Marco Amaro. Segundo «os estatutos» do clube vão ser eleitos órgãos sociais durante este mês e por isso, será possível adiar a escolha do novo treinador. «Se se tomasse posse em agosto como aconteceu comigo, não podíamos estar à espera para escolher um treinador e um plantel, mas assim ainda temos algum tempo para pensar e decidir», acrescenta. Embora a escolha esteja, por agora, adiada, a direção tem pensado «um perfil» de treinador desejado, não querendo revelar, para já, até que as eleições se realizem.

Com Rita Santos Batista