No próximo fim de semana, as ruas históricas da vila de Porto de Mós vão receber alguma adrenalina. Está de regresso o Troféu Downhill Urbano e o Uphill organizado pelo Team Ribeirense Downhill Enduro com a colaboração do Clube Desportivo Ribeirense. O responsável pela prova, Nuno Louro, explicou a O Portomosense em que vão consistir estas provas. «O Uphill acontece na noite de dia 16 e consiste numa subida até ao Castelo com qualquer tipo de bicicleta, exceto elétricas. Primeiro, vai ser uma subida cronometrada e depois vão ser escolhidos os melhores que vão subir lado a lado até ao Castelo», esclarece, lembrando que esta já tinha sido uma prova feita em 2018 e que agora regressa.

Apesar de ser parecido, o circuito para o dia seguinte tem algumas diferenças. «No domingo realiza-se então o Troféu de Downhill Urbano que vai descer a parte mais histórica da vila, desde o Castelo praticamente até ao Rossio, passando pelas ruas, escadas e outros saltos que vão ser colocados em diversos pontos como tem sido habitual há vários anos», explica Nuno Louro. As inscrições, feitas através da página da Federação Portuguesa de Ciclismo, decorrem até, quarta-feira, dia 13 de julho.

O responsável diz que esta é uma prova que tentam sempre fazer «quando há oportunidade», até porque este tipo de competições foram acabando. «Antes, mesmo a nível da Federação, existiam taças, provas oficiais e federadas em diversos locais do país, que entretanto acabaram. Em 2016 retomámos este troféu aqui da vila também com o interesse do Município porque esta é uma forma de chamar algum público à parte história da vila», frisa. Este é um evento que atrai «sobretudo participantes de fora e é uma forma de dar mais dinâmica ao centro da vila», acrescenta ainda. Nuno Louro considera ainda que o downhill urbano e este tipo de atividades têm sido «esquecidas pela Federação», algo que também está ligado à pandemia, «altura em que todas as atividades tiveram uma quebra grande». «Este ano já se está a retomar, em diversos municípios, o downhill urbano, está a começar a ter alguma adesão e isto também só cresce com uma continuidade em termos de eventos, para criar mais dinâmica entre os diversos locais e para os próprios atletas começarem a ganhar o gosto pelo downhill urbano», acredita.

Quanto às novidades no percurso, Nuno Louro assume que, tratando-se de zonas residenciais é difícil «ter tempo para trabalhar os circuitos porque teria que se cortar praticamente todas as ruas», o que não é possível, uma vez que isso já vai acontecer nos dias das provas. «Iremos ter as habituais estruturas, mas só ao longo da semana vamos conseguir perceber o que vamos conseguir colocar ou não no circuito», refere o responsável.

Com Inês Neto Silva
Foto | Clube Desportivo Ribeirense