Início » Uma centena de pessoas na Lagoa Grande para ouvir jazz

Uma centena de pessoas na Lagoa Grande para ouvir jazz

22 Julho 2023
Rita Santos Batista

Texto

Partilhar

Rita Santos Batista

22 Jul, 2023

A Lagoa Grande, no Arrimal, foi o espaço escolhido para o segundo espetáculo do III Ciclo de Concertos em Meio Natural do Cistermúsica – festival de música de Alcobaça – que se realizou no passado domingo, 16 de julho, com a atuação de jazz de Filipe Furtado Trio. O ciclo encerra já no próximo dia 23 de julho no Barreiro Novo, em São Bento, com o projeto Além Fado.

Depois do Maat Saxophone Quartet, na Fórnea, em Alcaria, ter dado início a esta série de concertos na natureza a 9 de julho, a atuação de Filipe Furtado Trio levou no passado fim de semana cerca de uma centena de pessoas à Lagoa Grande para aproveitar a tarde de sol que ainda queimava e as melodias do piano, do saxofone, da bateria e da voz de Filipe Furtado, que misturadas com os sons da natureza pareciam trazer ainda mais tranquilidade e calma ao espaço e às pessoas ali presentes. Nome de Rua, Teresa da Nazaré, Prelúdio/Epigrama, Uma Terceira Despedida, Os Bravos, e Menina do Techno Não Samba foram alguns dos temas tocados pelo trio de jazz, composto por Filipe Furtado na voz, guitarra e teclado; Paulo Silva na bateria e Filipe Fidalgo no saxofone. O grupo musical focou-se sobretudo a apresentação do seu disco de estreia Prelúdio e tocou ainda alguns temas mais recentes, a incluir já no próximo álbum.

Ainda antes de terminar o concerto, Rui Morais, em representação do Cistermúsica, destacou com entusiasmo a quantidade e a diversidade de pessoas que vieram até à Lagoa Grande para assistir ao concerto. «Costuma-se dizer nesta área, no jargão da cultura, que é importante criar novos públicos e acho que está aqui provado que estamos a fazê-lo», realçou. A missão deste festival passa também por dar a conhecer jovens talentos, sendo uma alavanca para a sua carreira.«Nós na cultura temos de ter esta capacidade de encontrar jovens valores e de começar a apresentá-los ao público», salientou.

Futuramente, Rui Morais está certo que o caminho do Cistermúsica, «o maior festival de música clássica do país», continuará a passar pelo concelho e espera, por isso, continuar a trazer mais músicos até às aldeias e vilas portomosenses. «Isto tem uma diversidade brutal e é cada vez mais um festival dentro de um festival, portanto vamos continuar com certeza a trabalhar para trazer grandes músicos a Porto de Mós e, possivelmente, a novos espaços emblemáticos, todos em meio natural», acrescentou.

Fotos | Rita Santos Batista

Publicidade

Este espaço pode ser seu.
Publicidade 300px*600px
Half-Page

Primeira Página

Em Destaque