Foi inaugurada, no passado dia 24, a requalificada Unidade de Saúde de Pedreiras, um dos três polos da Unidade de Saúde Familiar (USF) Novos Horizontes. O edifício foi inteiramente remodelado, tem oito gabinetes e um elevador que o torna acessível a todos. Quatro anos depois de um veredito ter determinado que, ou existiam obras ou este polo de saúde teria de encerrar por não ter condições, o atual presidente de Junta, Pedro Pragosa, à altura secretário, recorda o início do processo não esquecendo quem com ele o encetou. «Não posso deixar de referir duas pessoas, o doutor Leonel Santos [à altura coordenador da USF Novos Horizontes] e o antigo presidente de Junta, Rogério Vieira, reunimos e percebemos que esta obra tinha que ser feita», frisa. Hoje, «está feita depois de muitos tropeções», salienta, agradecendo à população «pela paciência».

«Esta é uma obra muito importante que vai melhorar as condições de trabalho dos profissionais, mas também contribuir para a melhoria das condições da população da freguesia e esse foi o objetivo principal», começou por referir o presidente da Câmara, Jorge Vala. Esta obra foi solicitada assim que se percebeu a degradação do edifício, mas só agora ficou concluída: «Tivemos algumas contrariedades porque o projeto foi validado pelo Agrupamento de Centros de Saúde Pinhal Litoral, mas não foi validado pela Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) e faço esta nota apenas pelo tempo que demorou, tivemos quase um ano de hiato com processos administrativos». O autarca lembrou ainda que o Município assumiu o compromisso da obra «ainda antes de saber se podia contar com fundos comunitários». Apesar do orçamento «ter sido muito significativo», para o autarca, «investir na Saúde não é um custo, mas um investimento na população e nos profissionais de saúde».

«O orçamento da obra é de 300 mil euros», revelou Jorge Vala, falando do «importante apoio da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC)», que geriu os fundos comunitários. O presidente aproveitou o momento para lançar algumas críticas ao Governo: «É pena que o Estado Central não tenha associado ao processo de descentralização de competências um pensamento inclusivo que permita aos autarcas ser parte da decisão. Este modelo que nos é imposto nada acrescenta ao que existe a não ser obrigar, através da lei, a aceitar o que não queremos e a pagar. Para nós, pagar não é o problema, mas para pagar aquilo que já pagávamos, não faz sentido». Jorge Vala mostrou-se ainda «muito preocupado» com a falta de médicos que afeta a Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados de Porto de Mós. «A Saúde no concelho vive tempos dramáticos, o único médico de Porto de Mós vai-se reformar no final do ano», relata. O autarca não compreende, por isso, a falta de aposta num modelo USF: «A USF Novos Horizontes funciona bem, não consigo mesmo perceber como é que o Estado e as chefias intermédias não implementam isto como regra», refletiu.

Obras destas “podem ajudar a fixar médicos”

Na inauguração esteve também o vogal do conselho diretivo da ARSC, Mário Ruivo, que disse estar «honrado» por estar presente num momento que «vem enriquecer as condições de prestação de cuidados de saúde». «Este investimento tem particular significado porque permite melhorar a atratividade de profissionais de saúde. Tem havido neste concelho esta dificuldade», sublinhou. A estas obras, também numa tentativa de “chamar” estes profissionais, junta-se a abertura de uma vaga carenciada. «Este concelho é o único do Pinhal Litoral com uma vaga destas a pedido da autarquia e a que a ARSC acedeu porque era justo, de forma a que os profissionais aqui colocados possam ter melhores condições financeiras e queiram aqui fixar-se», frisou. Mário Ruivo garantiu ainda que a ARSC estará disponível para «continuar a apoiar», tendo disponibilizado equipamento para este espaço.

A presidente da CCDRC, Isabel Damasceno, encerrou a inauguração, explicando que, para si, este foi um regresso à freguesia das Pedreiras 50 anos depois: «Estive cá para inaugurar a igreja, aqui em frente, e nunca mais tinha voltado. Hoje voltei para inaugurar um equipamento muito importante», recorda. Isabel Damasceno elogiou Jorge Vala, dizendo que as suas prioridades para o concelho «estão certíssimas». «Quando um presidente diz que tudo fará para ajudar as instituições públicas, mesmo que isso signifique sacrifícios para o Município, está certo», frisou. A presidente disse ainda ser «testemunha do empenho do presidente»: «Disse muitas vezes que o financiamento seria muito importante mas que se não viesse, faria a obra na mesma».

A Unidade de Saúde de Pedreiras está a funcionar desde ontem «com todas as condições» necessárias, afirmou a coordenadora da USF Novos Horizontes, Tânia Pereira. «Antes, o edifício tinha quatro gabinetes, agora passou a ter oito, tem uma capacidade enorme, se o número de utentes aumentar, quem sabe, poderemos aumentar as equipas de saúde», antevê a coordenadora.

Foto | Jéssica Moás de Sá