Início » USF de Aire e Candeeiros já está a funcionar

USF de Aire e Candeeiros já está a funcionar

9 Dezembro 2023
Isidro Bento

Texto

Partilhar

Isidro Bento

9 Dez, 2023

A Unidade de Saúde Familiar (USF) Serra de Aire e Candeeiros, que muitos, a começar pelo poder político, esperam que venha trazer melhores cuidados de saúde a uma parte significativa da população do concelho de Porto de Mós, entrou em funcionamento no passado dia 1 de dezembro.

A nova unidade teve um arranque bastante discreto e sem prévio aviso público, sendo, para já, uma novidade para muitos dos portomosenses que há anos sofrem com a gritante falta de médicos de família na UCSP de Porto de Mós, o que, entre outros, lhes dificultava de forma significativa o acesso a uma simples consulta médica.

O Portomosense tentou saber junto da coordenadora da USF, Ana Maria Henriques, os moldes em que a unidade está a funcionar e com que meios humanos, nomeadamente, médicos. No entanto, por impossibilidade de agenda da responsável, tal não foi possível em tempo útil. Contactadas outras fontes do ACES Pinhal Litoral, a resposta é unânime: «a USF é, de facto, uma realidade, já está a trabalhar mas mesmo a nível interno ainda há muitas dúvidas relativamente à forma como irá funcionar. Para já, conta com mais dois médicos e espera-se que venham mais». Certo é que a sede continua a ser em Porto de Mós, tendo polos em Mira de Aire e em Serro Ventoso. Relativamente ao Alqueidão da Serra, ninguém arrisca uma resposta perentória.

Em declarações a O Portomosense, em outubro deste ano, o presidente da Câmara, Jorge Vala, assegurou que o protocolo estabelecido com o Ministério da Saúde para a aceitação por parte do Município das competências na área da Saúde prevê que o Alqueidão da Serra receba uma extensão da sede, funcionado a Mendiga como extensão de Serro Ventoso. Se isso vai efetivamente acontecer ou se será uma solução de longo prazo é a pergunta que algumas das pessoas contactadas deixam no ar, tendo dúvidas que uma unidade a tão poucos quilómetros da sede tenha um longo futuro.

Centro de Saúde de Porto de Mós deverá ser alvo de intervenção

Voltando às declarações do autarca ao nosso jornal há cerca de dois meses, nessa altura Jorge Vala anunciava um balcão SNS 24 (Serviço Nacional de Saúde) em Alvados e outra em São Bento, balcões esses geridos por entidades externas ao SNS que aderiram ao protocolo entre a Administração Regional de Saúde e os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde para acesso e prestação de serviços digitais e de telessaúde aos cidadãos.

O responsável autárquico referia ainda que o o edifício do Centro de Saúde de Porto de Mós vai ser alvo de uma intervenção ao nível do aquecimento, ventilação e ar condicionado, bem como, de atualização de diversas salas, estando reservados cerca de 900 mil euros do Plano de Recuperação e Resiliência para esse fim. Uma viatura elétrica para utilização por parte dos profissionais de saúde estará também a caminho.

Aprovação rápida

A USF Serra de Aire e Candeeiros foi aprovada em tempo recorde, não tendo, segundo as fontes contactadas pelo nosso jornal, passado, por exemplo, por todas as auditorias técnicas que são parte fundamental de qualquer processo de constituição de uma unidade deste tipo ou, quando já está constituída, a sua passagem a um modelo mais exigente, o B. Uma vez que está previsto que todas as USF passem a trabalhar sob
o modelo B no início de 2024, esta terá sido a forma encontrada pelos responsáveis pela Saúde de tentar resolver uma situação que tantos protestos tem gerado tanto do poder autárquico como da população em geral, ao mesmo tempo que antecipam por escasso mês ou meses aquilo que é uma inevitabilidade, ou seja, o arranque ao que tudo indica terá sido ainda como modelo A mas a cumprirem-se os prazos previstos pelo Governo agora demitido, no próximo mês mudará para modelo B como todas as outras.

De acordo com dados revelados pela direção da antiga UCSP, dos cerca de 16 mil inscritos naquela unidade, aproximadamente 7 500 não tinham médico de família, o que equivale a cerca de 30% da população do concelho.

Ao que O Portomosense apurou, a vinda de mais médicos para o concelho já se esta a fazer sentido de forma favorável a esse nível, com alguns utentes a serem informados pelos serviços que, finalmente, já têm
médico de família atribuído.

Publicidade

Este espaço pode ser seu.
Publicidade 300px*600px
Half-Page

Primeira Página

Em Destaque