Início » “Vagas carenciadas” para colmatar falta de profissionais de saúde no concelho

“Vagas carenciadas” para colmatar falta de profissionais de saúde no concelho

29 Julho 2021
Jéssica Moás de Sá

Texto

Partilhar

Jéssica Moás de Sá

29 Jul, 2021

Estava marcada para o passado dia 8 de julho a visita do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, no âmbito da inauguração das obras de requalificação da Extensão de Saúde de Mira de Aire e também do Gabinete de Saúde Oral, visita que acabou por ser cancelada e onde ia ser exposta «a instável situação da saúde» do concelho, explicou o presidente da Câmara de Porto de Mós, Jorge Vala, em reunião de Câmara.

Além de informar que as inaugurações acabaram por ser também canceladas «por não fazerem sentido sem a presença do secretário de Estado», o autarca adiantou qual seria o contexto desta visita. «A proposta de visita aconteceu na sequência de um pedido de reunião que nós fizemos ao senhor secretário de Estado que se mostrou disponível para vir a Porto de Mós», explicou Jorge Vala. O «objetivo principal seria mais uma vez manifestar a preocupação sobre o problema da saúde no concelho»: «Neste momento temos um problema de enfermeiros, temos dois enfermeiros a menos, um no Alqueidão da Serra e outro em Mira de Aire. O de Alqueidão foi transferido em mobilidade para a USF Novos Horizontes, o de Mira de Aire aposentou-se e portanto, neste momento, não temos esta vaga suprimida, embora tenha vindo outro enfermeiro, aparentemente, para o processo de vacinação». Quanto aos médicos, refere, «saiu a doutora Joana Teixeira e também o doutor Nuno Couto, temos uma compensação feita por um médico recém-licenciado mas continuamos com um médico a menos que não foi suprimido».

Jorge Vala frisou que «o quadro de profissionais de saúde do concelho é muito instável», nomeadamente porque «uma parte dos profissionais, sobretudo os médicos, continuam a aguardar pelos concursos de mobilidade para serem transferidos para locais mais próximos da sua naturalidade ou residência, uma vez que a grande maioria é do norte do país».

Ao secretário de Estado, o Município iria propor que fosse utilizada uma estratégia «que acontece nalgumas zonas do país»: «As chamadas vagas carenciadas». «Com estas vagas, o médico que concorre fica obrigatoriamente a preencher uma vaga durante um período mínimo de três anos. Tem um pequeno acréscimo de vencimento, como forma de incentivo», explica. «Num concelho como o de Porto de Mós que tem sistematizado ao longo da sua história um quadro clínico tão volátil, pensamos que se justifica uma solução de emergência no sentido de estabilizarmos os profissionais e passarmos de uma vez por todas a ter ficheiros entregues a pessoas que estão em contacto com os utentes mais do que três ou quatro meses», salienta o presidente. Apesar da visita de António Lacerda Sales ter sido cancelada, o executivo acredita que a reunião poderá ser reagendada para breve.

Publicidade

Este espaço pode ser seu.
Publicidade 300px*600px
Half-Page

Primeira Página

Em Destaque