O almirante Nuno Vieira Matias, natural de Porto de Mós, foi condecorado no passado dia 19 de dezembro, pelo Presidente da República, com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique. Entre as ordens honoríficas portuguesas, a Ordem do Infante D. Henrique destina-se a distinguir quem houver prestado serviços relevantes a Portugal, no país e no estrangeiro, assim como serviços na expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, da sua História e dos seus valores. Foi criada em 1960, para marcar os 500 anos da morte do Infante D. Henrique.

O ato solene estava marcado para o dia 27 de dezembro, mas Marcelo Rebelo de Sousa, tendo tido conhecimento que o antigo Chefe do Estado-Maior da Armada, se encontrava internado no Hospital das Forças Armadas, devido a uma fratura de uma perna na sequência de uma queda, optou antes por visitar Vieira Matias naquela unidade hospitalar e ali mesmo impos-lhe a alta distinção. Vieira Matias agradeceu ao Chefe de Estado a visita e as palavras que lhe dirigiu e mostrou-se «muito honrado por esta condecoração» tendo, na altura, feito a relação com a primeira condecoração que recebeu, também do Infante do Henrique, ainda enquanto aluno da Escola Naval, aquando das comemorações henriquinas, em 1960.

Da Escola Naval a Chefe do Estado-Maior da Armada

Nuno Gonçalo Vieira Matias nasceu na vila de Porto de Mós, em 9 de julho de 1939. É filho de João Matias [fundador e primeiro diretor de O Portomosense] e de Clementina Vieira da Piedade, ambos já falecidos. Casado com  Maria Francisca Meireles da Costa Monteiro Vieira Matias, tem um filho, uma filha, duas netas e um neto.

Ingressou na Escola Naval em 1958, onde terminou a licenciatura em 1961 e foi voluntário para embarcar na fragata Vasco da Gama, como 2.º tenente, para comissão em Angola de 1961 a 1963. Especializou-se em Artilharia e também em Fuzileiro Especial.

Combateu na Guiné, como Comandante do Destacamento N.º 13 de Fuzileiros Especiais, de 1968 a 1970. Desempenhou depois, sucessivamente, as funções de professor da Escola Naval e de diretor do Laboratório de Explosivos, Comandante da Força de Fuzileiros do Continente, Capitão dos portos de Portimão e de Lagos, Comandante do N.R.P. “João Belo”, Chefe de Divisão do Estado-Maior da Armada e professor do Instituto Superior Naval de Guerra. Além da formação em escolas nacionais, frequentou, ao longo da carreira, em países da NATO, uma dezena de cursos, entre os quais o Naval Command College, nos EUA, no ano letivo 1988/89. Nos postos de almirante, foi subchefe do Estado-Maior da Armada, superintendente dos Serviços do Material, Comandante Naval e comandante-em-chefe da Área Ibero-Atlântica da Organização do Tratado do Atlântico Norte entre 1995 e 1997, terminando a carreira no cargo máximo de Chefe do Estado-Maior da Armada (1997-2002).

Foi agraciado com 16 condecorações nacionais, incluindo a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo, a Grã-Cruz da Ordem Militar de Aviz, a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique e 10 condecorações estrangeiras, do Brasil, Espanha, Estados Unidos da América, França e Itália.

Depois de desligado do serviço ativo, foi membro da Comissão Estratégica dos Oceanos e do European Security Research Advisory Board da União Europeia.
Foi presidente da Academia de Marinha; vice-presidente da Direção da Sociedade de Geografia de Lisboa; presidente do Conselho Supremo da Liga dos Combatentes, vogal do Conselho das Ordens Honoríficas Portuguesas; membro do Conselho Nacional de Educação, membro do Conselho Supremo da Sociedade Histórica da Independência de Portugal e administrador por parte do Ministério da Defesa Nacional, da EDISOFT, Defense & Aerospace Technologies.

É Membro de Mérito da Academia Portuguesa da História, membro emérito da Academia das Ciências de Lisboa, e do Conselho de Honra do ISCSP. Foi até há um mês, professor convidado do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa, sendo autor de diversos trabalhos e artigos sobre estratégia marítima, segurança nacional e economia do mar.b É curador da Fundação “Oceano Azul”. Como académico tem colaborado e publicado em várias publicações especializadas e participado de forma ativa em conferências, palestras e outros fóruns onde as matérias militares e do mar são tema de destaque.

isidro bento| text