O Encontro Nacional de Tocadores de Concertina da Barrenta vai, à semelhança do ano passado, realizar-se «de forma simbólica». O encontro, que atrai tocadores de todo o país, assinala este ano a sua 20.ª edição, no entanto, «a situação sanitária originada pela pandemia é ainda incerta e exige responsabilidade», salienta o Centro Cultural da Barrenta – Grupo de Concertinas da Barrenta, os promotores deste evento, em comunicado. «Para marcar a efeméride das 20 edições, a proposta visa durante 20 dias assinalar 20 anos de música. Com início a 6 de setembro, diariamente, pelas 20h20, os internautas e seguidores da página Grupo de Concertinas da Barrenta no Facebook e Youtube, vão ter acesso a novos conteúdos, em direto e em exclusivo, para não só aprofundar o conhecimento da coletividade e do festival, como agregar os grupos e entidades parceiras que anualmente se associam aos eventos e atividades», refere a mesma nota. Estes 20 momentos vão ter a duração de «cerca de 20 minutos cada, equivalendo a 400 minutos de produção feita totalmente de forma voluntária».

Segundo a organização, os conteúdos que vão ser divulgados online vão permitir ficar a conhecer «o que é o Encontro Nacional de Tocadores de Concertina». Para isso vai ser feita «a retransmissão do Encontro de 2019 (18.ª edição)», vai ser dada a «conhecer a Escola de Concertinas da Barrenta», promovida «uma visita guiada à aldeia da Barrenta» e vai ser dada voz «aos mais de 50 grupos que anualmente visitam a Barrenta». A programação culmina com «um percurso itinerante a 25 de setembro pelas aldeias» do concelho como aconteceu no ano passado. «Esta atividade pretende ainda levar um camião palco durante 10 horas de música, ao longo de 105 quilómetros em pleno coração das Serras de Aire e Candeeiros», refere a organização.

Citado no comunicado, o presidente do Centro Cultural da Barrenta, Ricardo Pereira, salienta que não podendo «fazer o encontro no formato que sempre se fez», não queriam «deixar de assinalar este dia, que é esperado por muitos tocadores de concertina que se deslocam à Barrenta ano após ano, mas também para as populações das aldeias do Município que apoiam incondicionalmente». «Só é possível executar esta ideia, com o apoio do Município de Porto de Mós, e com todas as Juntas de Freguesia, para delinear um caminho que chegue ao máximo de pessoas possível, sem que haja necessidade de saírem de suas casas, mas mesmo assim possam desfrutar um pouco da nossa música», acrescenta ainda o presidente.