Desde o passado dia 12 de agosto que nove voluntários da Just a Change, uma associação de voluntariado que tem como foco a reabilitação de casas de pessoas com dificuldades financeiras, têm-se dedicado a reabilitar uma casa no Vale Alto, freguesia de Minde. A associação que nasceu em 2010 já reabilitou mais de «200 casas e 50 instituições». «Estamos a trabalhar em parceria com algumas entidades de Alcanena, nomeadamente com a Câmara Municipal e Junta de Freguesia que nos ajudaram com a logística, ao nível da estadia e do ponto de vista mais técnico. Como somos voluntários há coisas que sabemos e outras que precisamos de orientação», refere Pedro Frade, o voluntário responsável pela obra e um dos membros da associação adiantando que dão preferência a técnicos de obras locais, com o objetivo de envolver a comunidade local.

A família que habita na casa e que agora está a ser alvo de uma reabilitação saiu aos 12 anos de Portugal rumo à Venezuela, onde viveu durante 50 anos. Há três anos fugiu do país devido ao avançar da agitação económica e social mas a existência de vários problemas de saúde impedem o casal de arranjar emprego. E como consequência, não tinha dinheiro para reabilitar a casa que possuía graves deficiências, entre as quais falta de água quente e problemas de eletricidade.

Em declarações a O Portomosense, Pedro Frade, confessou que foi com grande espanto que a família em questão soube que ia ser ajudada ao nível da habitação que está carregada de valor sentimental. «Quando souberam que íamos dar aqui um jeito, as pessoas ficaram estupefactas e bastante surpreendidas porque não estavam nada à espera mas o que noto mais é a gratidão. Eu não consigo fazer uma chamada com a D. Adelina em que ela não me agradeça 27 vezes pelo que estamos a fazer», confessa.

A cerca de três dias do fim do prazo estipulado para a concretização da obra, Pedro Frade explicou o que já foi feito e ainda falta realizar. «Estamos na fase de acabamentos, tudo o que era preciso demolir ou reerguer já foi feito. Neste momento estamos a finalizar as paredes para serem pintadas. Tivemos de remover dois soalhos de madeira e agora vamos tratar de colocar chão flutuante. Amanhã e sábado vamos tratar das pinturas, limpezas e transportar a mobília que está guardada num pavilhão», adianta.

Esta intervenção foi a primeira a acontecer no concelho de Alcanena, mas as previsões são de que este projeto-piloto seja repetido no próximo ano, com a ampliação de mais casas a serem reabilitadas. «A Câmara achou que seria preferível começar por uma casa só para ver como é que as coisas corriam e em caso de sucesso, a ideia seria no ano seguinte, quem sabe ter duas, três, quatro casos, consoante o que a Câmara e o Just a Change a nível central acharem melhor», admite.